Blog : Empresa

Por quê  contratar uma empresa especializada em música ao vivo?

Por quê contratar uma empresa especializada em música ao vivo?

Qual a diferença entre contratar uma empresa de música ao vivo e um músico “avulso”?
Tem diferença entre contratar aquele solista que eu vi no concerto e a empresa de música ao vivo que me indicaram ou que eu vi o anuncio no portal de fornecedores para eventos?

Já me perguntaram várias vezes por que eu tenho uma empresa de música ao vivo para eventos se a organizadora ou a produtora pode entrar em contato direto com os músicos ou com uma orquestra ou uma escola de música para contratar os músicos necessários. Tem diferença? E junto com essa pergunta vem outra: tem diferença entre músico de concerto e músico de evento?

Vou aqui usar um texto muito batido mas muito verdadeiro: o mundo mudou, continua a mudar e vai mudar cada vez mais rápido. Isso se deve à internet? Também.

As mudanças sociais são inevitáveis, a capacidade e a velocidade de transmissão de informação influenciam a mudança e a internet (e agora a pandemia) tem servido como um catalisador e está acelerando isso de uma maneira que a gente não sabe muito bem lidar. Estamos meio que naquela situação de trocar a roda com o carro andando. Com esta distribuição massiva de informação as pessoas (leia-se clientes) estão cada vez mais bem informadas em todos os assuntos, procurando sempre por novidades e melhores soluções e possibilidades de personalização. Isso torna o mercado mais competitivo e mais profissional e só se mantém quem está sempre se atualizando. Neste mesmo movimento diminui o espaço para os curiosos e amadores mal preparados e sobressaem os que se profissionalizam e estão sempre atentos a atualizações. Tenho notado também o fortalecimento das empresas e profissionais que investem em parcerias e trabalhos cooperados.

E é assim em todos os mercados: moda, alimentação, academias, escolas e, claro, nos eventos.

Antigamente uma empresa fazia um coquetel para os sócios, os investidores, os clientes especiais e quem arrumava tudo era a esposa do presidente ou a secretária. A moça ia casar, a mãe, as tias, as avós, madrinhas, amigas e a própria noiva davam conta da festa, na maior parte das vezes a própria casa da família ou no salão paroquial, na casa de uma parente ou amiga da família em melhor situação financeira, com a casa maior. Os aniversários de criança, que a pouco tempo atrás eram em casa, no pátio ou no salão de festas do prédio, agora são em salões com brinquedos, animadores, recreacionistas, garçons…

Agora os eventos já não são mais em casa, as empresas têm departamento pessoal e/ou marketing pra organizar eventos internos e externos e contratar produtores e fornecedores. As cerimônias de casamento, os eventos corporativos, festas de aniversário estão cada vez maiores, com mais detalhes, mais complicadas de gerenciar. Um organizador de eventos chega a articular 30, 40 equipes com especialidades diferentes antes, durante e depois do evento e existem normativas, leis, protocolos, autorizações e seguros específicos para locais de eventos e profissionais da área, com atualizações regulares.

E neste ponto do texto eu volto pra pergunta inicial: por quê contratar uma empresa especializada em serviços para eventos com músicos treinados e experientes em eventos?

De acordo com minha experiência profissional, existem quatro pilares para uma boa entrega em eventos: atendimento, produção, experiência em eventos e protocolos de ação.

1) ATEDIMENTO: em uma etapa preliminar precisamos saber a data, o local, o tipo de evento, o tipo de necessidade de grupo musical. É mais ou menos o que as agências de publicidade chamam de briefing.
Com isso é organizado um orçamento preliminar com várias opções, a partir do qual vamos adaptando as necessidades e desejos do contratante com o valor destinado ao investimento até chegar a uma situação ideal. Depois deste primeiro momento, combinamos um encontro ao vivo (pessoal ou virtual, dependendo das circunstâncias) para fechar os detalhes de repertório, para as partes se conhecerem… muitas vezes, principalmente para contratação de eventos sociais, eu levo junto um instrumentista para tocar ao vivo para o contratante e sanar dúvidas técnicas, curiosidades, etc. Um bom atendimento tem a capacidade de ouvir o cliente e procurar soluções adequadas, não simplesmente vender um produto. Um bom atendimento deixa o cliente seguro e tranquilo do que está contratando e já é um bom caminho andado para as outras etapas.

2) PRODUÇÃO é o trabalho de organização da apresentação. O produtor (e o assistente de produção) organiza o grupo musical em detalhes antes, durante e depois da apresentação com as contratações dos músicos, encomenda e distribuição das partituras, preparação do rider, contato com a empresa de sonorização para uma boa captação, contato com a decoradora para definir o espaço que o grupo musical vai ocupar e a logística de chegada e saída, combina e/ou providencia o traje dos músicos, garante pontualidade, postura e comportamento. Também é o primeiro que chega, faz contato com o organizador do evento, “instala” os músicos no lugar adequado, articula a passagem de som, manda tocar, manda parar, tira os músicos do local da melhor forma possível. É a interface entre os músicos e a organização do evento.

3) EXPERIÊNCIA EM EVENTOS. O produtor precisa saber o que está fazendo, precisa ser treinado, saber prever problemas e ser muito, muito proativo. E OS MÚSICOS TAMBÉM.
Eu tenho dezenas de histórias pra contar de músicos excelentes, solistas, professores, que não servem pra trabalhar ou tocar em eventos.
O perfil do músico de evento (e do profissional de evento) é bem particular. Nada muito complicado mas o comportamento é quase como os dos mordomos ingleses do século 19. Quando se está trabalhando/tocando em um evento a pessoa precisa ter noção de que faz parte da decoração: tem que ser muito, muito discreto; não reparar ou comentar nos convidados; não pode olhar no relógio, não pode olhar no celular, não pode tirar nem postar foto; não pode conversar de forma inadequada, não pode dar gargalhada e menos ainda interagir com os convidados sem ser chamado. E SE for chamado, agir respeitosamente sempre em postura pro-ativa para resolver problemas.

Tem que ter paciência porque chove meia hora antes do evento e a gente precisa mudar de lugar, tem que esperar a noiva que atrasa (algumas realmente abusam, mas isso é outra história).

Especificamente sobre os músicos, compreender que no evento a música começa de acordo com o combinado, acaba quando o contratante manda acabar, repete quantas vezes for necessário… E tudo isso sorrindo e sendo simpático e gentil o tempo todo porque evento é uma experiência que o contratante oferece para os convidados dentro de um contexto, não um concerto, em que as pessoas vão lá exclusivamente para ouvir música e admirar a capacidade técnica do músico.

4) os PROTOCOLOS são as listas de itens a serem checados em cada etapa para diminuir a probabilidade de erro. Existem listas básicas comuns a cada evento mas com a experiência a gente aprende que cada evento precisa de sua lista própria de acordo com as suas particularidades. Parece simples mas, por exemplo, esquecer as lâmpadas de led portáteis para um evento ao ar livre ou a empresa de sonorização esquecer de enviar o número correto de microfones pode gerar um problema insolúvel.

Um músico sozinho pode fazer isso tudo? Pode, claro. Mas é uma sobrecarga em uma pessoa única que pode prejudicar a entrega. Vale a pena arriscar o investimento de uma festa inteira pra economizar alguns reais?

Aqui eu vou fazer um aparte: quando falo em empresa de música ao vivo, quando falo do trabalho da Camerata Accord estou falando do trabalho de organizar grupos musicais personalizados (trios, quartetos, duos, orquestras, todos sob medida) com repertórios personalizados.

Existem músicos que “vendem” a si mesmos com um excelente trabalho: voz e violão, piano e voz, violino e Dj. Nestes casos eles não organizam grupos musicais diferenciados, eles já tem o grupo fechado, o rider pronto e o espetáculo com poucas alterações. Isso simplifica muito as etapas de atendimento, produção e protocolo. Assim como as bandas cover que têm produção e atendimento e às vezes até staff de montagem.

Aqui na Camerata Accord a gente costuma enviar os grupos musicais com um dos músicos como líder “condutor” do grupo musical e um assistente de produção pra fazer a interface entre os músicos e a produção do evento ou o organizador. O assistente é aquela pessoa que chega junto (ou pouco antes se necessário) com os músicos, verifica com o organizador ou produtor onde “instalar” os músicos. Enquanto os músicos se instalam, o assistente organiza os últimos detalhes com o organizador, as mudanças de última hora… durante o evento essa pessoa fica à disposição o tempo todo para coordenar a apresentação musical, para ficar atenta a qualquer imprevisto, qualquer mudança de última hora, justamente para o organizador ter uma preocupação a menos.

Como podes imaginar, fiz toda essa argumentação para dizer que sim, é importante contratar empresas especializadas para garantir qualidade de serviços em sua festa. As festas não são mais amadoras, os profissionais envolvidos também não podem ser.

 

Esta linda foto ilustrativa foi tirada por Dionathan Santos na Caza Wilfrido, em Gramado/RS.

Eventos ao ar livre

Eventos ao ar livre

É uma tendência, é mágico, é tudo de bom

Tenho notado um aumento considerável na quantidade de eventos ao ar livre ou em espaços mistos, com áreas fechadas ou cobertas e jardins, mesmo em épocas e lugares mais frios como o inverno da Serra Gaúcha. Junto com esta tendência vem a dos eventos diurnos, que são charmosíssimos quando bem elaborados.

Acredito que isso seja uma reação à vida urbana, sempre tão corrida, tão atarefada, tão cheia de paredes, espaços pequenos e luz fluorecente branca. Nos momentos de celebração, de socialização e amizade procuramos o sol e a tranquilidade da natureza.

Mas a natureza nem sempre ajuda e aqui no Rio Grande do Sul o clima muda de uma hora pra outra. Eu tenho um amigo catarinense que diz que gaúcho não é habitante, é sobrevivente: tem épocas que a gente sai de casa numa linda manhã de verão, almoça no outono e volta pra casa numa noite de inverno horrível com temperaturas baixas, vento e chuva fina. Com isso, evento ao ar livre é SEMPRE um risco, perincipalmente em determinadas épocas do ano.

Então não vale a pena sonhar com um casamento ao ar livre? É dor de cabeça na certa?

Não, claro que não. Só tem que ser bem planejado. Abaixo algumas dicas para que o sonho não vire um pesadelo:

Primeiro: NUNCA faça uma festa sem um bom organizador, planner, cerimonialista, produtor… não importa o nome que se dê a esta atividade. Existem no mercado profissionais competentes para todos os bolsos e gostos e estes profissionais são fundamentais para o bom andamento da organização da sua festa, escolha de bons fornecedores e, no momento da festa, para garantir que tudo vai acontecer de acordo com o previsto, sem surpresas desagradáveis.

Em tempo: ANTES de contratar o profissional que vai organizar seu evento cheque antecedentes, procure pessoas que já tenham contratado os serviços, procure indicações, dê “um google” no nome da pessoa. Desconfie de “paraquedistas” que ontem eram de uma área e hoje acordaram organizadores e de valores muito abaixo do mercado. Às vezes por trás de um preço baixo se esconde um prejuízo financeiro e, talvez, um dano moral. Infelizmente como em todos os nichos de mercado, o de eventos tem também seus problemas. Isso vale para todos os fornecedores que serão contratados.

Voltando ao nosso assunto, preferencialmente contrate o profissional de confiança ANTES de contratar o local da festa e acredite se o seu organizador te disser que este ou aquele locais não são adequados ou que têm pontos preocupantes. Fazer festa parece fácil, mas não é. A quantidade de coisinhas que podem dar errado em um evento é enorme e um bom organizador estudou e é treinado para conhecer e/ou prever problemas.

No caso específico do fornecedor de música ao vivo, o grupo musical contratado precisa de orientação para tocar as músicas certas nos momentos corretos. Um bom organizador tem o cronograma todo definido e jogo de cintura para resolver os imprevistos que SEMPRE ocorrem.

Segundo: pense em seus convidados com carinho. Se o local não tem chão firme, avise, mande um bilhetinho junto com o convite sugerindo sapatos confortáveis e adequados. Pisar na areia, na grama, no barro, em pedra lisa com sandálias altíssimas, sapatos masculinos finos, solados de couro… pode ser uma experiência ruim que pode causar acidentes, sujar ou deixar seu convidado de mau humor e estragar a sua festa.
Para os cantores e instrumentistas, um bom local para se acomodar é fundamental. Não dá pra tocar na chuva, nem com a cadeira inclinada, escorregando ou afundando… nem com os pés na água. Isso só funciona em foto de capa de disco e nos video dos Piano Guys (ADORO eles) É arte, é cinema. Não é a realidade.

Terceiro: Sol, luz e sombra. Se o evento vai ser durante o dia, garanta que os convidados e fornecedores tenham espaços de sombra para se abrigar com conforto. Árvores, lonas, ombrelones… tem solução para todo tipo de festa.
No meu caso específico, os músicos não podem em hipótese alguma ficar expostos ao sol forte nem à umidade. Os instrumentos são frágeis e estragam facilmente. Se o evento for no fim da tarde, é necessário pensar também na iluminação.
Já fui a casamento que atrasou, escureceu e, ao invés de um lindo casamento à meia luz do por-do-sol tivemos um casamento no escuro, com improvisos de luz para o celebrante, para foto e filmagem e para os e os músicos. Existem umas lanterninhas para as estantes das partituras e nós carregamos elas sempre conosco, independente da situação. Mas fica a recomendação: não deixe seus convidados e seus fornecedores no escuro.

Quarto e, por enquanto, último: plano B. Tenha um e execute se for necessário. Não teime com o seu organizador, não teime om as condições climáticas. Eu tenho material para escrever um livro inteiro só de contos de tragédias que poderiam ter sido evitadas facilmente se o contratante desse ouvidos ao organizador.
Às vezes a gente sonha em casar debaixo da árvore, cantar parabéns com o pé na água, premiação dos melhores funcionários no meio da grama… faz um investimento enorme para conseguir o evento dos sonhos e põe tudo a perder por bobagem. Não dá pra teimar com a natureza. Ela é sempre mais poderosa que a nossa vontade.
Então, combine com seu organizador um plano B tão bom quanto o plano A e confie nele se ele disser que é necessário implementá-lo.

Ah, e o mais importante: não tem evento dos sonhos sem música ao vivo. Contrate a CAMERATA ACCORD e ofereça aos seus convidados momentos de encantamento 😉

** Foto da ArteImagem **

#orquestraaovivo #musicaaovivoparaevetos #violinoparacasamento #musicaparacasar #musicaparacasamentos #quartetodecordas

Música ao Vivo em Eventos Empresariais

Música ao Vivo em Eventos Empresariais

Gerenciamento de equipes, articulação de grupos de trabalho, engajamento dos funcionários, sócios, associados… são pautas complexas que precisam ser tratadas diariamente dentro de empresas e instituições. Não existe uma fórmula simples e mágica mas existem pequenas ações que podem ajudar no entrosamento entre colaboradores. Dar um “refresco” para a rotina é uma delas.

Como?

Como você dá um tempo, refresca as ideias? Certamente saindo da rotina e fazendo coisas diferentes das tarefas cotidianas. E se a sua empresa oferecer uma experiência diferenciada para alegrar a rotina dos funcionários, sócios, associados e fornecedores?

Festas, eventos empresariais e ações em datas comemorativas são momentos perfeitos para valorizar colaboradores e fidelizar clientes. A música ao vivo transforma o ambiente e torna o evento inesquecível.

Ações para homenagear as colaboradoras no Dia da Mulher com distribuição de rosas e um violinista tocando, grupo de músicos em shopping valorizando ação do Dia dos Namorados com clássicos da música romântica, violinos tocando pelos corredores da empresa para homenagear pais, mães…

Quer impressionar? Coloque um quarteto de cordas tocando rock para recepcionar seus convidados.

Almoços e jantares corporativos ganham um ar requintado com músicos tocando ao vivo. Posse de diretoria, inaugurações, celebrações cívicas… a participação de um conjunto de cordas com a execução dos hinos transforma o evento em um pequeno espetáculo e quebra a rotina de forma encantadora e feliz.

E um flashmob? uma surpresa musical?! Existem inúmeras possibilidades: como músicos discretamente misturados aos convidados; instrumento aparecendo de surpresa, tocando temas conhecidos; algum colaborador da empresa que toca um instrumento fazendo uma “palhinha” para os colegas, e logo músicos profissionais se juntado a ele… a imaginação é o limite 🙂

No setor público já tocamos em eventos solenes nos 3 poderes como posses de desembargadores, homenagens na Assembleia Legislativa e Câmara de Vereadores e diversos momentos no Palácio Piratini. Os hinos tocados por um quarteto de cordas ao vivo imprimem ao momento grande imponência. Um tenor ou soprano podem complementar o grupo, sozinho ou em duo, acompanhado(s) de um quarteto durante os hinos ou executando as músicas de nosso extenso repertório.